O que é um design de interiores

27/07/2010 13:21


 

Inovar é sempre necessário, tanto é que por intermédio da inovação é que podemos ter acesso as mais diversas e também oportunidades em que nos são oferecidas.

O design de interiores vai até a sua residência e trabalham sem nenhum tipo de restrição, sempre com a intenção de conseguir resultados diferentes, utilizando é claro, seus conhecimentos sobre o assunto fazendo desta uma nova experiência.

No universo dos projetos para espaços de funções diversificadas existem alguns profissionais responsáveis pela coordenação dos projetos para a qualidade do ambiente, dentre eles serão destacados aqui: o designer de interiores.

O design está em todo lugar e talvez por isso seja tão difícil encontrar uma definição específica. O design de interiores está presente numa ampla tipologia de ambientes: de um evento cultural até hospitais e aeroportos e seu objetivo principal está na busca do conforto e do fácil deslocamento dos espaços. Provavelmente, não existirá uma definição absoluta que agrade a todos, mas tentar achar pelo menos uma mais precisa pode ajudar até mesmo aos profissionais a entender suas responsabilidades.

Os designers de interiores necessitam de um profundo conhecimento, permitindo assim que façam projetos para qualquer pessoa e que estas se sintam plenamente satisfeitas. Estamos falando da sua casa ou seu
ambiente de trabalho. O conforto e o bem estar nestes casos é fundamental. Por essa necessidade é que surgem os métodos e processos ergonômicos, permitindo soluções para um grande número de pessoas, garantindo o conforto e o bem estar dos usuários. O ambiente deve ser harmônico, sem grandes complexidades e suas funções, sejam elas quais forem, devem ser claramente identificadas.

Embora, de maneira geral tenha partido dos designers a idéia de tentar enriquecer seus trabalhos com elementos das belas-artes, adicionando conteúdo narrativo, referências ritualistas e simbolismos em seus trabalhos, hoje, a ligação da arte com o design “também parece ter sido revitalizada por artistas das belas-artes”. Ainda assim, “seria impossível classificar objetos de mobília e interiores como sendo arte aplicada, devido a sua não-ambígua aparência de móvel, luminária ou interior”.

Os objetos são mais do que uma idéia, um design, uma recriação cênica de uma situação condicionada por uma determinada decoração interior ou por elementos arquitetônicos. “Em contrapartida, o design desses movíveis – que são as peças de design no sentido popular – é reduzido a uma função superficial imediatamente óbvia, à força de um vocabulário de sedução estabelecido, que serve a convenções específicas.”

Muitas variáveis influenciam um projeto de interiores na busca de soluções criativas e técnicas que proporcionem qualidade de vida e cultura para os seus usuários e que sejam esteticamente atraentes.

A mais importante refere-se à natureza da utilização do espaço: trabalho, lazer, tratamento, estudo, morar etc.

Considera-se, em especial, a atmosfera que se pretende seja a marca desse espaço: alegria, jovialidade, força, segurança, sabedoria, divertimento, tranquilidade, sobriedade, harmonia etc. Existem, ainda, fatores práticos a serem observados como acessibilidade, iluminação, acústica, conforto térmico, armazenamento de coisas, entre outros. Fundamentais são as questões associadas à saúde, conforto, segurança, durabilidade e certas necessidades especiais inerentes a cada Cliente.

Para exercer a profissão, o Designer de Interiores qualifica-se em Curso Técnico ou Faculdade de Design de Interiores, ministrados por entidades de ensino reconhecidas pelo MEC - Ministério da Educação ou formando-se em Arquitetura, tendo cursado a cadeira de Arquitetura de Interiores.

No Design de Interiores essa partitura é o Projeto. Sem ele não há criação, não há harmonia.

Designers de Interiores podem ser especializados em um ou mais segmentos de atuação, sejam eles residencial ou comercial, entretenimento, saúde, espaços corporativos, varejo, lojas, supermercados, shoppings centers, showroons, padarias e outros espaços destinados à comercialização de produtos e serviços. E claro e porque não em Igrejas.